Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

10 de agosto de 2020

Conselheiros atribuem rombo na Acic à gestão de Geraldo Tia Jô

 | Jornal Acontece

Diante dos graves fatos expostos na reunião do Conselho o senhor Geraldo deve ser convocado para prestar esclarecimentos pois existe indícios de gestão temerária. Não podemos correr o risco de sermos coniventes e, além da evidente vacância, seria irresponsável permitir sua volta antes da devida apuração dos fatos” Malber Ferreira – Conselheiro

“Se comprovado tais fatos o senhor Geraldo pode ser punido por infrações previstas no Estatuto, como expulsão da Associação.

O mais grave é uso indevido da receita do Plano de Saúde. Isto precisa ser muito bem explicado, pois poderia indicar apropriação indébita”. Conselheiro Jorge Ayala

“Geraldo foi notificado e tem oito dias para apresentar seus argumentos. Só depois disso a entidade poderá se posicionar de forma definitiva sobre o assunto.  Não é prudente fazer nenhum juízo de valor antes de ouví-lo. Enquanto isso o Teixeira segue interinamente na presidência”. Hermes Balula – presidente do Conselho

 

O ex-presidente da Acic Geraldo Tia Jô teve negado seu pedido para retornar ao comando da Associação Comercial e Industrial de Cubatão. Com isso, o vice-presidente Antônio Teixeira, na presidência desde abril, continua no cargo. Segundo o deliberado e confirmado com o presidente do Conselho, Geraldo Tia Jô tem oito dias para apresentar sua defesa e  qualquer tentativa de ato seu como presidente, neste momento, não teria legitimidade.

A justificativa dos conselheiros, avalizada pelos membros da diretoria presentes, foi de que ele perdeu o prazo da solicitação, gerando a vacância no cargo. O entendimento comum foi de que conforme previsto no Estatuto, o seu pedido é intempestivo.

Como a decisão é soberana, Tia Jô precisaria convencer o Conselho a mudar de ideia ou apelar para a Justiça, fora do cargo. Porém a jurisprudência, nestes casos, indica prevalecer a soberania do Estatuto fato que, inclusive, Tia Jô já usou a seu favor em outras oportunidades.

 

Rombo nas contas

A entidade constou em ata e abriu prazo para Tia Jô se manifestar sobre as desconfianças que indicariam eventual crime de ‘gestão temerária’.

As acusações são de que o comportamento do então presidente à frente da gestão levaram a entidade ao rombo financeiro, antes mesmo do início da pandemia.

Com o afastamento do presidente a tendência de quebradeira geral com a pandemia foi revertida. Apesar de perder sua principal renda (a locação dos salões) a dívida ao invés de aumentar, diminuiu, depois que Tia Jô se afastou da presidência.

Tal fato levou os conselheiros a desconfiarem da seriedade da gestão de Tia Jô.

 

Tom conciliador

O presidente do Conselho Hermes Babula amenizou  o assunto:

“Trata-se de um problema institucional e que será resolvido de forma prudente. É fato que alguns conselheiros levantaram questionamentos com relação à gestão do Geraldo. Ele tem prazo de oito dias para apresentar suas ponderações e não acho prudente fazer nenhuma consideração antes de ouvi-lo. Se apresentar justificativas convincentes, nada impede o Conselho, inclusive, possa rever sua posição”.

 

Outro lado – Não tem nada a ver

Apesar de afastado desde abril e ter seu retorno formalmente negado, Geraldo Tia Jô disse, por telefone, que ainda se considera presidente da Acic. Ele disse que se reuniu com sua assessoria jurídica e não pretende atender a determinação da entidade formalizada e ata. Sem muitos argumentos para sustentar seu posicionamento finalizou com: ‘isso não tem nada a ver’

Acontece pediu ao presidente que enviasse uma nota por escrito, mas ele pediu que ligássemos para um advogado.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

10 de agosto de 2020

TSE espera receber 630 mil pedidos de registro de candidatura

Leia mais

10 de agosto de 2020

BOLSONARO TERÁ CANDIDATO EM SANTOS

Leia mais

10 de agosto de 2020

DEFINIDOS OS CANDIDATOS A PREFEITO DE CUBATÃO E GUARUJÁ

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC