Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

02 de janeiro de 2021

Fundação CASA divulga ações realizadas em 2020

 | Jornal Acontece

No ano em que o mundo enfrentou a pandemia da Covid-19, a Instituição se reinventou para executar a medida socioeducativa no Estado de São Paulo 

Num ano tão desafiador como 2020, com a pandemia de Covid-19, a Fundação CASA divulga balanço das principais atividades e ações realizadas no período. Como serviço essencial, a Instituição continuou o atendimento aos adolescentes, na execução das medidas socioeducativas, mas, com grande participação dos servidores, se reinventou e se adaptou à nova realidade.

Hoje (30) 4.888 adolescentes, de ambos os sexos, cumprem as medidas socioeducativas de internação e semiliberdade, além dos programas de atendimento inicial, internação provisória e internação sanção. Entre 1º de janeiro e 30 de dezembro, foram 17.748 adolescentes atendidos.

Antes da decretação na pandemia no Brasil, em março, cerca de 1.200 adolescentes em internação foram envolvidos na XVI Copa CASA de Futebol, o campeonato de futebol de campo realizado em parceria com a Federação Paulista de Futebol.

Na arte e na cultura, 375 adolescentes de 31 centros socioeducativos foram à exposição sobre o artista e inventor Leonardo da Vinci, no Miss Experience, em São Paulo. Exposições temporárias e permanentes no Itaú Cultural, Pinacoteca e Museu Catavento também foram apreciadas por 143 jovens em internação durante 33 visitas.

Seis adolescentes tiveram a notícia de que foram premiados na edição 2019 da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), cujo resultado é divulgado no início do ano seguinte da edição.

Nos estudos, mais resultados positivos, com 38 aprovações de jovens para ingressar em Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs). Mesmo nas férias escolares do início deste ano, os estudos estiveram presentes: no CASA Botucatu, no interior paulista, uma das atividades da programação foi a experiência do lançamento de um foguete a partir do centro socioeducativo.

Porém, a partir do final de março, após a decretação da pandemia e a implementação do isolamento social, as atividades pedagógicas presenciais com parceiros foram paulatinamente substituídas por virtuais, com conteúdos enviados pelas organizações parceiras e pelos professores da educação escolar e aplicados por servidores da área pedagógica dos centros socioeducativos.

Além disso, os profissionais se esforçaram em se reinventar para manter a agenda diária de atividades conciliada com os cuidados de prevenção à Covid-19, sendo que a tecnologia foi primordial para tudo acontecer:

  • As oficinas de arte e cultura com os parceiros Ação Educativa, Cedap e Cenpec passaram a ser remotas, atendendo à média mensal de 1.100 adolescentes em 132 turmas;
  • As oficinas musicais do Projeto Guri – violão e percussão – também se tornaram virtuais, atendendo mensalmente a 1.050 jovens em 106 turmas;

  • As exposições do Itaú Cultural, que antes eram apenas presenciais, ganharam versão digital, com visitação estendida aos adolescentes atendidos no interior. Até o final de janeiro de 2021, a expectativa é atingir 824 adolescentes internados em 76 centros socioeducativos espalhados pelo Estado;

  • Os cursos de educação profissional básica do Senac-SP, de duração trimestral, passaram a ter conteúdo virtual aplicado em sala. No último trimestre de 2020, foram 1.600 adolescentes capacitados mensalmente em 193 turmas. No litoral, jovens internados na região ainda participaram de curso on-line de barista do Museu do Café;

  • No Estado, adolescentes também se formaram em cursos on-line de educação profissional básica da Fundação Bradesco. Um jovem do CASA Guarulhos iniciou um curso on-line de ciência da computação da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos;

  • Na educação escolar, os professores da rede pública estadual elaboraram os conteúdos aplicados em sala pelos servidores, que incentivaram os jovens. O resultado: 2.996 adolescentes concluíram os anos finais do Ensino Fundamental e outros 159 concluíram o Ensino Médio e estão aptos para ingressar no Ensino Superior;

  • São 160 adolescentes, no total, inscritos para participar do Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL), em fevereiro de 2021;

  • Um grupo de 276 adolescentes enviou textos para o Concurso de Redação da Defensoria Pública da União (DPU), o maior número de inscritos da Instituição em todas as edições. Em 2020, o tema é “Entre o céu e o asfalto: onde está a dignidade da população de rua?”;

  • No esporte, 2.686 adolescentes e funcionários, de 75 centros socioeducativos em todo o Estado, movimentaram o corpo no Agita Galera 2020 – com atividades físicas que respeitaram o distanciamento social e os cuidados para evitar a transmissão da Covid-19;

  • O tradicional Torneio de Xadrez da Fundação CASA ganhou sua primeira edição virtual, com 858 adolescentes de 84 centros socioeducativos participando por meio da plataforma Chess.com;

  • As atividades pedagógicas estiveram antenadas com os acontecimentos mundiais, como o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), com a execução de propostas pedagógicas, como o projeto fotográfico “Sua Alma Tem Cor”, feito por adolescentes internado no CASA Madre Teresa de Calcutá II, em Iaras.

A Fundação CASA ainda enfrentou a pandemia com cuidados adicionais na saúde, que ainda se refletiram em ações solidária:

  • Criação do Comitê de Gerenciamento de Crise, que implementou medidas para preservar a vida dos adolescentes em atendimento e dos servidores e manter um ambiente de trabalho seguro;
  • Distribuição de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os servidores, máscaras para os adolescentes e orientação sobre os procedimentos de limpeza e higiene a seguir;

  • Aquisição de insumos, como álcool em gel, luvas, avental, sabão, oxímetro, termômetro infravermelho e máscaras descartáveis e de tecido;

  • Realização de campanha interna de conscientização permanente sobre os cuidados de higiene e de uso de máscaras pelos servidores;

  • Na parceria com a organização Médicos sem Fronteira, houve palestra para os servidores e orientações técnicas para o enfrentamento da pandemia;

  • A parceria com a organização SAS Brasil permitiu o atendimento, por meio da telemedicina, de adolescentes com suspeita da Covid-19 em centros localizados nas cidades de São Paulo, Guarulhos e no Vale do Paraíba;

  • Tecnologia utilizada na realização de teleaudiências, evitando deslocamentos, assim como a manutenção das visitas familiares por meio virtual, seja por videochamada ou por ligação telefônica – as visitas presenciais foram retomadas no início de novembro;

  • Criação do “Canal da Família”, um espaço para manter diálogo com familiares dos adolescentes em medida socioeducativa, disponível por meio do site da Fundação CASA e dos telefones 0800 777 3272 (ligação gratuita) ou (11) 2927-9950;

  • Adolescentes confeccionaram máscaras de tecido, doadas a profissionais de saúde, a casas de acolhimento de idosos, entre outros locais;

  • No CASA João Paulo II, em Cerqueira César, os jovens plantaram verduras durante oficina no centro socioeducativo e doaram a produção para a Santa Casa da cidade.
Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

02 de janeiro de 2021

Levantamento semanal sobre o quadro da pandemia em Cubatão

Leia mais

02 de janeiro de 2021

Alesp aprova PL que regula escolas cívico-militares na rede pública estadual

Leia mais

02 de janeiro de 2021

Braskem amplia portfólio de solventes com aguarrás Braskem Spiria

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC