Cubatão adota auriculoterapia como tratamento complementar para dependentes químicos

Com o objetivo de melhorar o conforto e amenizar os sintomas da abstinência causados pelo uso de substâncias psicoativas, o Centro de Atenção Psicossocial para Tratamento de Dependentes Químicos em Álcool e Drogas (CAPS AD) da Secretaria de Saúde de Cubatão inicou em novembro sessões de auriculoterapia em pacientes referenciados e que são frequentes nos grupos e em consulta médica na unidade.

Como técnica terapêutica complementar ao tratamento, o projeto foi desenvolvido com o objetivo de amenizar os sintomas da abstinência, como ansiedade, irritabilidade, insônia, tensões, além de auxiliar na redução do consumo.

No CAPS AD, as sessões ocorrem uma vez por semana. Em uma das salas, com música ambiente, os pacientes relaxam em colchões e recebem a aplicação, a cargo da psicóloga Aline Gonçalves Abrantes de Almeida. Um dos motivos para a adoção da técnica complementar é a redução do uso de medicamentos: "A auriculoterapia pode fornecer ao cliente conforto e bem estar psicológico sem o uso de medicamentos químicos, dos quais muitos se tornam dependentes. Os medicamentos comuns, como os analgésicos, frequentemente utilizados pela maioria das pessoas, não tratam o problema e ainda podem piorar o seu estado devido ao mascaramento da doença".

Técnica milenar proveniente da China, a auriculoterapia trata até 200 sintomas do corpo através de vasos e canais situados na orelha. Usada até os dias de hoje, serve para promover alívio de dores, enxaqueca, insônia e também de problemas e disfunções de caráter psicológico.

Na sessão de quinta-feira (14), um dos pacientes, ainda durante o relaxamento, declarou: "Isso faz bem para o corpo, para a mente e para o espírito".

Ler Jornal

Publicidade

Emprego

Serviços


Praias Estradas