Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

10 de novembro de 2021

Campanha #TodosPorUm mobiliza sociedade pelos pacientes com Doença de Huntington

 | Jornal Acontece

São Paulo – SP 10/11/2021 –

A Doença de Huntington (DH) é uma condição hereditária, neurodegenerativa, progressiva, incapacitante e extremamente grave, pertencente ao grupo das Doenças Raras. Não existem estatísticas oficiais no Brasil, mas estima-se que sejam cerca de 16 mil os portadores do gene alterado, e de 65 mil a 95 mil pessoas em risco (seus descendentes).

Não existe cura para a doença, mas um tratamento adequado pode garantir mais qualidade de vida para os pacientes. A primeira medicação específica para os pacientes acaba de ser aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) , sendo indicada para auxiliar no controle do sintoma da coreia (movimentos involuntários) na DH. Após essa aprovação, o processo segue para a Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão responsável pela regulação econômica de medicamentos.

“Por isso, o objetivo da campanha #TodosPorUm é mobilizar a sociedade por um paciente portador de uma doença rara. Acreditamos ser fundamental conscientizarmos a população em geral para essa doença que ainda é pouco conhecida e que causa muitos danos na vida das pessoas que convivem com ela. Quem sofre com essa condição precisa da nossa atenção para ter uma vida com mais qualidade e menos desafios”, afirma Carolina Cohen, cofundadora da Colabore com o Futuro.

Causada pela perda de células em uma parte do cérebro denominada gânglios da base, este dano cerebral compromete as capacidades motoras, através de movimentos involuntários dos membros inferiores e superiores, que prejudicam o caminhar, aumentam o risco de quedas, dificultam atividades cotidianas, além de causar alterações comportamentais e psiquiátricas (ansiedade, depressão, agressividade, etc) e cognitivas (dificuldades de planejamento, déficit de atenção etc.).

Os primeiros sintomas aparecem lenta e gradualmente em homens e mulheres de todas as raças e grupos étnicos entre os 30 e 50 anos. Em casos mais raros, podem atingir também crianças e idosos. Filhos que tenham um dos pais afetado pela DH têm 50% de chances de herdar o gene alterado e desenvolverão a doença em algum momento de suas vidas.

A presidente da Associação Brasileira de Huntington, Vita Aguiar de Oliveira, relata que pacientes e familiares ainda encontram muitas dificuldades para o diagnóstico da doença. “O teste genético, que poderia auxiliar na identificação de mutações que apontem a probabilidade de desenvolver a patologia, não está disponível no SUS, por exemplo. Muitos profissionais de saúde ainda desconhecem como deve ser o atendimento ao portador de DH”, ressalta Vita.

Somente um médico neurologista é capaz de dar o diagnóstico preciso da doença para administração do melhor tratamento. Fisioterapia e terapia ocupacional podem auxiliar nas dificuldades motoras do paciente. Também é recomendado acompanhamento com fonoaudiólogo, para ajudar na fala, e com nutricionista, para a melhora da saúde.

Promover melhorias contínuas para o paciente que sofre com Doença de Huntington é uma responsabilidade de toda a sociedade: #TodosPorUm

Website: https://www.colaborecomofuturo.com/

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

10 de novembro de 2021

Em 24 horas, evento gratuito sobre lean terá 100 palestrantes de 32 países

Leia mais

10 de novembro de 2021

Como revisar financiamentos imobiliários

Leia mais

10 de novembro de 2021

Gartner: fornecedores de TI devem investir mais em IA nos próximos anos

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.