Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

06 de outubro de 2021

Como os procedimentos estéticos impactam na autoestima

 | Jornal Acontece

Brasília, DF 6/10/2021 –

Se o Brasil é o país com o maior número de cirurgias plásticas estéticas do mundo, segundo a Sociedade internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS, na sigla em inglês), a harmonização facial – por ser um tratamento relativamente simples, rápido, menos invasivo e mais acessível -, é o mais procurado de todos, de acordo com o Google Trend. Mas, em tempos em que a saúde mental ganha cada vez mais relevância, quais seriam os impactos desses tratamentos na autoestima das pessoas? Essa reflexão tem sido o principal foco de atuação de alguns profissionais da área da estética avançada, como a biomédica esteta, Paula Hofstatter. Para ela, o mais importante no resultado é o que ele gera na vida da pessoa que passa por um procedimento. “Trabalhar com estética é lidar diariamente com a autoestima. Em um mundo onde cada vez mais ela está sendo deteriorada, temos que valorizá-la quando existe”.

Especialista em harmonização facial, Paula lembra que o autocuidado é um ato de bem-querer consigo mesmo e, por isso, a estética deve ser uma aliada nesse processo. Em sua clínica, localizada em Brasília, os procedimentos mais procurados são: toxina botulínica, bioestimulador de colágeno, rinomodelação e preenchimento labial. “Algumas pessoas chegam no consultório muitas vezes se sentindo tão infelizes com a aparência que relatam não se olharem no espelho e, após um tratamento, conseguem voltar a se amar e a se sentirem belas. Isso não tem preço”, conta.

Mas, se, por um lado, a estética pode ser um importante agente na busca da autoestima, ela também pode gerar enormes prejuízos, se for realizada de forma irresponsável. Nesse sentido, muitas vezes a busca pela padronização ditada pelas redes sociais encontra amparo nos profissionais dispostos a embarcar na oportunidade de ganho financeiro fácil com essa padronização. “Quanto mais padronizado, mais produto podemos colocar. Porém, com isso, alguns profissionais têm ajudado a acentuar essa autopercepção equivocada da beleza, fazendo com que seus pacientes se sintam cada vez mais com a autoestima baixa”, explica.

Paula alerta que o uso excessivo dos filtros nas redes sociais acabou criando um objeto de consumo inalcançável. “As pessoas se iludem e se projetam nos filtros, desejando ter aquele aspecto que estão vendo. Mas, é uma ilusão e é muito mais difícil lidar com as expectativas dos pacientes nesses casos”, explica Paula, que completa: “os filtros estão criando uma geração de pessoas com baixa autoestima, que não se aceitam e nunca estão satisfeitas”.

Nesses casos, Paula defende que cabe aos profissionais a responsabilidade de dosar o limite, sem ultrapassar aquilo que pode afetar a saúde do paciente. “O padrão de beleza muda constantemente. Não precisamos seguir o do momento. Cada rosto tem sua beleza e precisamos mostrar ao paciente o quanto aquele rosto é belo com suas características”.

“Quanto mais as pessoas entendem a importância da prevenção e que a harmonização pode favorecê-las de forma positiva e natural, mais as pessoas entendem que cuidar da autoestima é tão importante quanto cuidar da saúde”, finaliza a especialista.

Paula Hoftatter é biomédica esteta, especialista em Harmonização Facial pela International Meeting in Boston (Harvard) e Residência de Harmonização Orofacial em Algarve (Portugal).

Website: https://paulahofstatter.com.br/

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

06 de outubro de 2021

Verdades sobre Conversas Difíceis na Carreira.

Leia mais

06 de outubro de 2021

São Vicente abre vagas gratuitas para curso de confeitaria

Leia mais

06 de outubro de 2021

Ciesp realiza missa em capela histórica erguida por família Matarazzo nos anos 20

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.