Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

18 de novembro de 2021

Projeção da inflação é elevada pelo mercado financeiro para 8,35%

 | Jornal Acontece

São Paulo 18/11/2021 –

O Brasil passará por uma taxa de desemprego alta, estando acima de dois dígitos, até 2025. Segundo estimativa divulgada pelo Boletim Focus do dia 20 de setembro, a previsão do mercado financeiro em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), levando em consideração a inflação oficial do país, avançou mais uma vez, indo de 8% para 8,35% em 2021. Essa foi a 24ª elevação seguida na projeção. O Boletim Focus é uma pesquisa semanal divulgada pelo Banco Central (BC) com a projeção dos indicadores da economia mais importantes. Além disso, segundo o IPCA, a inflação nos últimos 12 meses ficou em 8,99%.

Para o ano de 2022, espera-se uma inflação de 4,10%. Já para os anos seguintes (2023 e 2024), a estimativa é de 3,25% e 3%, respectivamente. Em relação a 2021, a previsão está superior à meta de inflação, que deve ser perseguida pelo Banco Central. Estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional, a meta é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, fazendo com que o limite inferior seja de 2,25% e o superior na faixa de 5,25%. 

Combustível

No mês de agosto, a inflação avançou 0,87% por conta dos combustíveis. Essa taxa foi a maior para o mês desde o ano 2000, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso faz com que o indicador acumule altas de 5,67% anual e 9,68% nos últimos 12 meses, o maior acumulado desde o mês de fevereiro de 2016, momento em que o índice estava na faixa dos 10,36%.

Desemprego

No mês de agosto, a inflação avançou 0,87% por conta dos combustíveis. Essa taxa foi a maior para o mês desde o ano 2000, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso faz com que o indicador acumule altas de 5,67% anual e 9,68% nos últimos 12 meses, o maior acumulado desde o mês de fevereiro de 2016, momento em que o índice estava na faixa dos 10,36%.

Seguindo esse cenário, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o país passará por uma taxa de desemprego alta, estando acima de dois dígitos, até 2025. Após 2026, apenas, é que essa taxa diminuirá para um dígito, quando marcará 9,8%. “O mercado de trabalho está atrasado em relação à recuperação da produção e a taxa de desemprego é alta, especialmente entre jovens, mulheres e afro-brasileiros”, avalia o FMI em documento sobre a conclusão das consultas do seu conselho executivo ao Brasil, no âmbito do capítulo 4 deste ano.

O FMI ainda aponta que o desemprego é um dos maiores desafios do Brasil, que vem ocorrendo muito por conta do cenário de depreciação cambial e crescimento nas cotações internacionais de commodities, que fizeram a inflação subir e também as previsões para os índices de preços, apesar de haver um hiato do produto.

A expectativa do FMI é que o desemprego cresça de 13,5% em 2020 para 13,7% em 2021. A partir do ano que vem, a taxa deve mostrar uma redução, baixando de 12,9% para 11,7% em 2023. Já em 2024, o indicador alcançará 10,9% e, em 2025, 10,2%. Apenas em 2026 estará em 9,8%. 

Transferências emergenciais de dinheiro serão encerradas e, na ausência de permanente fortalecimento da rede de proteção social, a pobreza e desigualdade poderão se tornar mais agudas, destaca o FMI.

Website: https://www.pathfind.com.br/

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

18 de novembro de 2021

Prazo para regularização é ampliado para 31 de março

Leia mais

18 de novembro de 2021

Comece a pensar na programação de sábado. Centro Histórico é a dica

Leia mais

18 de novembro de 2021

Confira as apresentações musicais do Estação Verão Praia até domingo

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.