Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

16 de julho de 2018

2ª edição

Projeto Inclusão na rua ocorrera em Cubatão

Evento tem apoio da Prefeitura e Associação Cubatense de Defesa dos Direitos das Pessoas Deficientes (ACDDPD)

Cubatão será sede, no dia 30/7, a partir das 13 horas, no plenário da Câmara Municpal (Praça dos Emancipadores, s/nº), da segunda edição do Projeto Inclusão na Rua, voltado para discussão de temas relacionados às pessoas portadoras de deficiências físicas.

O evento será feito em parceria com a Associação Cubatense de Defesa dos Direitos das Pessoas Deficientes (ACDDPD) e terá o apoio da Prefeitura Municipal. A primeria edição do PIR ocorreu no ano passado, na Zona Sul da Capital.

No dia 30, haverá depoimentos de portadores de deficiências que superaram suas dificuldades de inclusão social e palestras a cargo de especialistas no assunto, entre eles advogados que analisarão o projeto da Lei Brasileira de Inclusão.

Para falar do evento e convidar o prefeito Ademário de Oliveira a participar dele, estiveram na manhã desta segunda-feira (16), no Paço Municipal, o idealizador do PIR, Felipe Marconato, e José Antonio D`Alrio, presidente da ACDDPD.

Segundo Felipe Marconato, o projeto surgiu da necessidade de se ampliar a discussão sobre as questões envolvendo os portadores de deficiência. “Nasceu da situação de invisibilidade em que essas pessoas vivem e da necessidade de conscientização, não só dos parentes, mas de toda a sociedade, para o problema”, disse.

Felipe disse que,quando se fala de inclusão dos deficientes, hoje, a abordagem maior é quanto à acesssibilidade física. “Mas precisamos entender que, além de espaço para se locomover, a pesssoa deficiente precisa de voz, para se manifestar. Ela precisa ser, também, capacitada para ter uma atuação ativa na sociedade, pois o deficiente não quer ser tratado como um coitado”.

Explicou que o tema do encontro de Cubatão será ‘Devastando os mares da pessoa com deficiência’, numa alusão ao fato do município ser litorâneo. Na primeria edição do projeto, na Capital, o tema foi ‘Porque nos tratam como invisíveis’.
Quanto à situação do deficiente em Cubatão, Marco Antonio D’Álrio explicou que houve muitas conquistas, principalment na questão da acessibildiade. “Mas é preciso avançar mais, principamente no aspecto da capacitação”.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

16 de julho de 2018

Alesp aprova projeto que estimula implantação da tecnologia 5G nos municípios

Leia mais

16 de julho de 2018

Grupo de executivos cria rede solidária de combate à fome e ajuda comunidades

Leia mais

16 de julho de 2018

Baixada em alerta de tempestade

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.