Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

DINO

25 de novembro de 2022

Mercado imobiliário de médio e alto padrão registra crescimento de 145%

 | Jornal Acontece

Levantamento recente divulgado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias – em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômica – revelou que, nos primeiros meses de 2022, a venda de imóveis de luxo foi uma das maiores responsáveis pela alta do mercado imobiliário no país.

Quando comparado com 2021, o aumento foi de 37,7%, apenas na cidade de São Paulo: percentual equivalente a 1325 empreendimentos desse segmento em 2022, gerando aumento no faturamento de 184,9% em comparação com o período homólogo. Das 27 construtoras e incorporadoras do recorte de empreendimentos imobiliários, 12 estão identificadas com o segmento residencial de alto padrão na capital paulista (44%).

O mercado imobiliário de médio e alto padrão representa residências bem localizadas e bem estruturadas que custam a partir de R$ 1,5 milhão. Considerando o cenário econômico do país em 2021, com a taxa histórica de 2% de juros, quem teve chance e poder aquisitivo para investir em imóveis viu esse momento como favorável. A vinda forte do estilo híbrido ou de Home Office trouxe, ainda, mudanças significativas para a ressignificação do conceito de moradia e de busca pelo bem-estar, qualidade de vida e sofisticação.

Com um aporte relevante, muitos brasileiros veem os imóveis de luxo como uma alternativa de investimento de alta rentabilidade, já que esse mercado se tornou um dos mais seguros e menos voláteis do momento, crescendo 20% ao ano, segundo a (Secovi-SP). Como qualquer investimento, existem cuidados preventivos a serem tomados pelo comprador e pelo vendedor, como alerta o Dr. Marcelo Pereira Bergamaschi Junior, especialista em Direito Imobiliário e sócio do escritório Ramina de Lucca, Bibas e Siqueira de Carvalho Advogados – RBC Advogados, banca que atua na área há mais de 13 anos: “Para justificar o alto valor do mercado, um imóvel deve cumprir diversos requisitos, não só comerciais, como jurídicos, imprescindíveis para ser um bom investimento. Por exemplo, é importante que compradores e vendedores de imóveis contem com uma assessoria jurídica especializada para a redação de instrumentos contratuais adequados e para verificação antecipada de eventuais riscos para a operação por intermédio de uma cuidadosa due diligence. Para ser bom economicamente, o negócio preciso ser, antes de mais nada, juridicamente seguro.”

A compra de imóveis ainda é uma alternativa, na hora de proteger seu patrimônio das variações econômicas do Brasil, seguindo exemplo de países desenvolvidos, que também sentiram esse mercado crescendo. Segundo a Consultoria Knight Frank, o preço dos imóveis desse segmento nos 28 principais mercados globais do setor deve subir, em média, 5,7% neste ano.

Conforme o advogado especialista entrevistado, Dr. Marcelo P. Bergamaschi Jr., dados da Brain Inteligência Estratégica em parceria com a Abrainc, 82% das empresas observam o custo de materiais como a maior dificuldade para o setor imobiliário no ano de 2022. Além disso, dados da Caixa mostram que a utilização do crédito imobiliário no 1º trimestre de 2022 chegou a R$ 34,4 bilhões, representando um aumento de 17,8% em relação ao mesmo período de 2021.

Diante de tantos detalhes, é importante que adquirentes, investidores, construtoras, incorporadoras e loteadoras contem com uma consultoria especializada. Para mais informações, visite: www.rbcadvogados.com.br

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

25 de novembro de 2022

Temperatura e vibrações são desafios logísticos nos transplantes de órgãos

Leia mais

25 de novembro de 2022

ABIMAQ realiza curso voltado ao Fluxo de Caixa

Leia mais

25 de novembro de 2022

Congresso internacional discute os desafios da educação

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.