Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

04 de junho de 2018

Mudança de hábitos

Recicla Santos dobra coleta de lixo reciclável e gera postos de trabalho em cooperativas

Coleta de recicláveis cresce mais de 100%. Números demonstram mudança de hábitos

Em 5 de junho é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1972, durante conferência internacional sobre o tema. O objetivo foi chamar a atenção mundial para os problemas ambientais e a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis. Conhecido como Conferência de Estocolmo, o evento marcou a mudança no modo de ver e tratar as questões ambientais, além de serem estabelecidos princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta.

Santos é referência nesta área e, neste 5 de junho, uma das razões para comemorar é o sucesso do Recicla Santos (lei 952) que, desde julho de 2017, disciplina o gerenciamento do lixo e da coleta. A partir de sua implementação e com suas inúmeras campanhas educativas, a iniciativa dobrou a quantidade de material reciclável coletado no Município, o que significa menos lixo encaminhado ao aterro Sítio das Neves, além da criação de dezenas de postos de trabalho em cooperativas de reaproveitamento de materiais (veja números abaixo).

O Recicla Santos privilegia a reciclagem, economiza recursos e reduz o desperdício. Alinhado com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, obriga que papel, papelão, metais, plásticos e vidros sejam embalados juntos e descartados no dia da coleta seletiva. Já os restos de alimentos são embalados juntos e descartados diariamente. Esse lixo é chamado de úmido ou orgânico e pode ser jogado nos contentores que ficam na rua, junto à calçada.

A lei cria a figura do grande gerador comercial, aquele que produz acima de 200 litros ou 120 quilos/dia de resíduos sólidos urbanos. Esse deve implantar serviço próprio de coleta, transporte, separação e destinação final dos resíduos, arcando inclusive com seu custo. Também deverá providenciar postos de entrega voluntária para recebimento de recicláveis e resíduos especiais entregues pelos clientes do estabelecimento, com o objetivo de aumentar a reciclagem e o reaproveitamento de matérias-primas. É o caso, por exemplo, das lâmpadas.

Grandes geradores são obrigados a comprovar na Secretaria de Meio Ambiente (Semam) a destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos gerados. O Recicla Santos também proíbe a coleta seletiva por veículos clandestinos, que em geral usam mão de obra infantil.

Coleta de recicláveis cresce mais de 100%
Entre julho de 2016 e abril de 2017, a Coleta Seletiva em Santos recolheu 2,6 mil toneladas. Desde a vigência da lei (julho de 2017) até abril deste ano, o número subiu para 5,2 mil, aumento de pouco mais de 100%.

E os santistas mostraram conscientização ambiental desde o início da aplicação da lei.  No mês de julho de 2016, foram 270 toneladas de recicláveis recolhidos. Em julho do ano passado, já no primeiro mês de vigência, 422 (aumento de 56%), o que mostra que o Recicla Santos “pegou” de cara.

Antes do Recicla Santos, a média de recolhimento do serviço girava em torno das 266 toneladas por mês. Desde julho de 2018, passou a 523 (crescimento de 96,6%). Em dezembro, período de férias e festas, o aumento é mais significativo: em 2016 foram 350 toneladas e, no ano seguinte, 754 (115,4% a mais).

Números demonstram mudança de hábitos
A mudança geral de hábitos já começa a surtir resultados até na coleta de lixo não-reciclável (proveniente das residências, varrição das vias e praças, limpeza dos locais de feiras livres, limpeza do entorno do mercado municipal, limpeza das praias, raspação e capinação das vias). Conforme o apurado pela Secretaria de Serviços Públicos (Seserp), de janeiro a abril do ano passado, foram 59,3 mil toneladas de resíduos domiciliares e urbanos. No mesmo período em 2018, caiu para 56,3 mil (menos 5%).

“Muitos não separavam os resíduos orgânicos dos recicláveis. Tudo ia para o aterro, desperdiçando uma grande quantidade de matéria-prima. Com a lei e as campanhas educativas, houve um grande aumento na separação, evitando que quantidades imensas de plástico, vidro, metais e papel/papelão fossem parar no Sítio das Neves”, explicou o coordenador de Políticas Ambientais da Semam, Marcus Fernandes.

Para saber mais sobre o Recicla Santos, dias e horários da Coleta Seletiva e dicas sobre ações sustentáveis acesse http://www.santos.sp.gov.br/?q=hotsite/recicla-santos.

Criação de empregos e aumento na renda dos catadores
Atualmente, três cooperativas/associações de catadores atuam na separação dos recicláveis, gerando renda para 159 famílias. Antes do Recicla Santos havia somente uma com 64 pessoas trabalhando. E já são 26 as empresas cadastradas na Semam para coletar resíduos secos, orgânicos e especiais dos grandes geradores.

 “A Coleta Seletiva executada por cooperativas ou associações de catadores de resíduos diminui as diferenças sociais. É a solução que se apresenta de forma economicamente viável, socialmente justa e ecologicamente correta para atender aos preceitos da Política Nacional de Resíduos Sólidos: extinguir os lixões, gerar emprego, distribuir renda e destinar apenas rejeitos em aterro sanitário”, declarou Paulo Batista, coordenador de Controle Ambiental.

Campanhas educativas atingiram milhares de pessoas
A lei do Recicla Santos foi sancionada pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa em janeiro de 2017. A partir daí, a Semam iniciou um esforço para informar e conscientizar os santistas sobre a importância de separar o lixo corretamente.

Desde o período de adaptação para que iniciasse a vigência da lei até os dias atuais, este esforço continua e inclui palestras e rodas de conversa com empresários, educadores e síndicos de condomínio; presença da estação ambiental (tenda que oferece informações sobre sustentabilidade feira de trocas) na orla, feiras livres eventos etc. e mutirões de funcionários da Semam e subprefeituras para visitas porta a porta em bairros onde há denúncias de descarte irregular.

Desde 2017, já foram realizadas 183 campanhas com a abordagem de 3,7 mil pessoas para esclarecimento sobre o programa. Foram distribuídos, nessas ações, 5 mil kits com revistas e imãs contendo os horários da Coleta Seletiva.

As tendas da Estação Ambiental foram armadas 360 vezes e registraram a conscientização de 37,5 mil pessoas e a distribuição de 2 mil revistas e imãs.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

04 de junho de 2018

Workshop gastronômico com flores comestíveis surpreende participantes

Leia mais

04 de junho de 2018

Ações voltadas à prevenção do suicídio serão realizadas em Santos

Leia mais

04 de junho de 2018

Novas interdições no trânsito de Santos serão implantadas para obra do VLT

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.