Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

Jornal Acontece

09 de outubro de 2020

Por unanimidade, câmara de Guarujá repudia reforma administrativa de Bolsonaro

 | Jornal Acontece

Na foto, representantes de sindicatos de servidores, na terça-feira, diante do legislativo guarujaense

Em sessão na tarde da última terça (6), a Câmara de Guarujá aprovou, por unanimidade, moção de repúdio de seu presidente, Edilson Dias (PT), à reforma administrativa do governo federal.
“A proposta de reforma mantém privilégios de poucos, retira direitos de muitos e abre brecha para perseguição ao funcionalismo”, disse o vereador na
abertura da justificativa.
Na presença de presidentes e diretores de sindicatos de servidores de Guarujá, Santos, Praia Grande e São Vicente, Edilson não poupou críticas à
proposta de emenda à constituição (pec) 32-2020.
“Ela traz instabilidade aos de baixo, privilegia o alto escalão e passa um ‘cheque em branco’ para o presidente da república acabar com órgãos do
executivo sem aval do parlamento”, disse na justificativa.

Fim da estabilidade

Segundo o presidente do legislativo, a medida abrange funcionários públicosnas esferas municipais, federais e estaduais, algo em torno de 11,4 milhõesde pessoas.
Citando o Dieese (departamento intersindical de estatística e estudos socioeconômicos), Edilson afirmou que a medida fragiliza a condição de
trabalho, em especial o fim da estabilidade.
Com disso, pode intensificar o assédio moral e a substituição dos estatutários por temporários ou terceirizados. Segundo ele, a propaganda
induz a população a acreditar que haverá economia contas públicas.

Estado diminuído

Na realidade, ponderou o vereador, a ‘pec’ propõe corte de direitos de servidores e, consequentemente, serviços públicos piores, por meio de
mudanças que têm cunho fiscalista.
Edilson lamentou que o governo tente passar a ideia para a sociedade que preza pelas contas públicas e aumento da produtividade no setor, sem lembrar que o servidor está na ponta dos serviços prestados.
A reforma, para ele, visa a diminuição do estado em prol de interesses privados. O vereador aponta que alguns dos principais serviços poderão
passar para a iniciativa privada.

Estado aparelhado

No judiciário, segundo ele, lamentavelmente, as propostas não resolvem problemas estruturais. E mantém intactos privilégios de juízes, militares e
procuradores, para citar três exemplos.
Edilson disse que o objetivo “é substituir concursados por organizações sociais e assim aparelhar o estado. A ‘pec’ permite que, por decreto, o
presidente extinga ou modifique autarquias e fundações”.
Nesse grupo, estão órgãos como as agências reguladoras Aneel, Ancine, Anatel, Anvisa e institutos como Ibama, Icmbio e Incra, que tratam, entre
outras atividades de fiscalização ambiental e reforma agrária.

Sindicatos em atividade

O presidente do sindicato de Guarujá, Zoel Garcia Siqueira, pedirá a Edilson que apresente a moção também em forma de requerimento dirigido aos líderes partidários no congresso nacional.
O presidente do Sindest Santos, Fábio Marcelo Pimentel, diz que os próprios sindicatos enviarão a moção ao congresso, mas também apoia a ideia de
requerimentos nas câmaras municipais.
O presidente do sindicato de Praia Grande, Adriano Roberto Lopes da Silva ‘Pixoxó’, espera que os vereadores locais recebam bem os sindicalistas, na
audiência marcada para 16 de outubro.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

09 de outubro de 2020

Basquete sobre rodas faz rifa para competir

Leia mais

09 de outubro de 2020

Santos debate a não privatização do porto com trabalhadores

Leia mais

09 de outubro de 2020

Instituto e Petrobras entregam 4 mil cestas e vale-gás

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.