Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

15 de junho de 2020

Prefeitura de Guarujá recebe titularidade de Santa Cruz dos Navegantes

 | Jornal Acontece

A área de 144.807,85 metros quadrados, onde está localizado o bairro Santa Cruz dos Navegantes, já integra oficialmente o território municipal de Guarujá. A matrícula da área, com registro em nome da Prefeitura, foi entregue na manhã desta segunda-feira (15) ao prefeito Válter Suman, pelo registrador de imóveis do Cartório de Registro de Imóveis (CRI) da Cidade, Francisco Costa.

Um sonho de décadas, a cessão de posse da área, originalmente federal, já havia sido assinada em 2018, pela Secretaria de Patrimônio da União (SPU). Agora, com a matrícula registrada em nome da Prefeitura, o poder público municipal realizará o parcelamento do solo, que consiste na divisão da área em unidades juridicamente independentes.

Após esse processo, que levará até 60 dias para ser finalizado, o Município dará prosseguimento à entrega de títulos de propriedade a cerca de 1.200 famílias que residem na comunidade.

A cessão da área aconteceu graças à Lei Federal 13.465/2017, que dita novas regras para a regularização fundiária. Santa Cruz dos Navegantes é o segundo bairro contemplado pela lei na Cidade, depois do Morrinhos 3.

O espaço cedido pela SPU contemplará quase toda a extensão do bairro e serve para dar sequência ao intenso programa de regularização fundiária da Prefeitura. Os títulos irão contemplar famílias que, em breve, terão seus documentos averbados. Com eles, os moradores tornam-se, de fato, proprietários de suas residências.

“É mais uma dívida histórica que o Município consegue saudar. Santa Cruz dos Navegantes é uma comunidade caiçara, das mais tradicionais de Guarujá, e que também abriga a nossa Fortaleza da Barra Grande, um pedaço importante da história do Brasil”, observa o prefeito Válter Suman.

Para o secretário municipal de Habitação, Marcelo Mariano, a formalização dos títulos de propriedade, agora uma questão de tempo, proporciona aos moradores locais a almejada segurança jurídica e melhores condições de vida, sobretudo no aspecto cidadania. “São ocupações históricas, de décadas.

Essas pessoas estão deixando a informalidade e ganhando o direito de propriedade ao chão onde já vivem há tempos”.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

15 de junho de 2020

SP anuncia reabertura de parques e academias

Leia mais

15 de junho de 2020

Polícia Civil apreende grande quantidade de maconha

Leia mais

15 de junho de 2020

MP cobra providências da CMT para impedir circulação de veículos pesados

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC