Fale com a gente

|

Tempo

Compra: R$

Venda: R$

08 de junho de 2018

Tricô e crochê

Projeto ‘Sapatinhos Solidários’ vai aquecer 1.400 bebês

Confeccionados de tricô e crochê as peças são destinadas a crianças em situação de vulnerabilidade social do Município

“Este projeto vai se tornar importante para a Baixada Santista, ele representa o espírito humanitário. Segundo dados do Hospital Santo Amaro, de janeiro a maio deste ano foram realizados pouco mais de 1.310 partos, podemos dizer que estamos calçando todos os recém-nascidos de Guarujá”, declarou o secretário de Cultura de Guarujá, Paulo Fiorotto, na segunda entrega do projeto “Sapatinhos Solidários”. Neste ano, foram confeccionados 1.400 pares de sapatinhos.

A cerimônia aconteceu na última quarta-feira (6), na galeria do Teatro Municipal Procópio Ferreira. A iniciativa é da Secretaria de Cultura (Secult) de Guarujá, em parceria com o Fundo Social de Solidariedade.

O projeto tem o objetivo de aquecer as crianças em situação de vulnerabilidade social atendidas por entidades do Município. E conta com a ajuda de voluntários para confecção de sapatinhos de tricô, crochê e feltro.

“É muito bom ajudar, principalmente as famílias carentes. Vim aqui dar a minha contribuição para esse projeto tão especial”, declarou a artesã, Dalva Oliveira Luz dos Santos.

O evento contou com apresentações musicais, depoimentos e a presença de representantes das entidades beneficiadas.

Na ocasião, a presidente interina do Fundo Social de Solidariedade de Guarujá, Érica Ribeiro, agradeceu as voluntárias. “Parabenizo a todos que se engajaram nesse projeto maravilhoso e abro as portas do Fundo Social para que as próximas oficinas aconteçam também em nossa sede”, afirmou.

Entrega
Os sapatinhos foram doados para as crianças atendidas pelo Hospital Santo Amaro (HSA), Associação Lar Espírita Cristão Elizabeth, Associação de Amigos do Lar do Menor Assistido (Alma), Projeto Mães Guarujaenses, Centro de Referência de Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Igreja Vida e Paz e Unidade de Saúde da Família (Usafa) Jardim Las Palmas.

História
O projeto surgiu pela iniciativa da enfermeira Elizabeth Régis. Vítima de um erro médico, teve suas funções comprometidas. A fatalidade levou ao fim da carreira, mas propiciou o surgimento do projeto. Em vez de uma depressão, começou a confeccionar sapatinhos para doar e a pequena iniciativa cresceu e uniu voluntárias da Cidade.

Publicidade
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS

08 de junho de 2018

ABM realiza webinar sobre os 50 anos do Centro de Pesquisa Usiminas

Leia mais

08 de junho de 2018

Unipar e CCC anunciam finalistas de Concurso de Meio Ambiente em Cubatão

Leia mais

08 de junho de 2018

Usiminas encerra segundo trimestre do ano com resultado recorde

Leia mais
Publicidade
Publicidade
Desenvolvido por KBRTEC

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies e os nossos Termos de Uso.